[Neto’s Review] Middle-Earth: Shadow of Mordor

“One man to rule them all.”

Middle-Earth-Shadow-Of-Mordor-2014-Game

Nome official no Brasil: Terra-Média: Sombras de Mordor

Produtora: Monolith Productions

Publisher: Warner Bros. Interactive Entertainment

Plataformas: Playstation 4, Xbox One e PC (versões diferenciadas para Playstation 3 e Xbox 360)

Versão jogada para análise: PC

Depois de duas duvidosas edições de jogos focados no universo Tolkien, mais especificamente nas obras de O Senhor dos Anéis, lançadas para a geração passada (The Lord of the Rings: Conquest e The Lord of the Rings: War in the North), além do pouco comentado Aragorn’s Quest, logo no início da nova geração já somos agraciados com mais um jogo baseado na maior referência da literatura fantástica com Middle-Earth: Shadow of Mordor. Será esta uma obra dos Valar ou apenas uma artimanha do Senhor do Escuro?

Clique para ler o restante!

Anúncios

[Brito´s Review] Knack

As relíquias são a nossa maior fonte de energia.

As relíquias são a nossa maior fonte de energia.

 

Produtora: SCE Studios Japan

Publisher: Sony Computer Entertainment

Plataforma: Playstation 4

Continuar lendo

[Fran’s Review] Metal Gear Solid V: Ground Zeroes

“Kept you waiting, huh?”

Produtora: Kojima Productions
Distribuidora: Konami
Gênero: Espionagem tática
Plataforma(s): Xbox One, Xbox 360,  PS3 e PS4
Versão analisada: Xbox One

Vendido apenas pela metade do preço, Metal Gear Solid V: Ground Zeroes é uma breve introdução ao que está por vir em sua continuação, Metal Gear Solid V: Phantom Pain. Ao dizer introdução me refiro tanto em história quanto em mecânica.

A história de Ground Zeroes é muito curta, e com o intuito mesmo de apenas direcionar para o próximo jogo, sendo apenas um intermédio entre o Phantom Pain e o jogo anterior, Peace Walker. Apenas uma das missões do jogo, a principal, tem foco em mostrar essa história. Ou seja, não espere nenhum jogo com uma vasta campanha, e sim algo mais próximo aos VR Missions, já existentes em jogos anteriores da série. Embora a conexão entre os dois jogos tenha sido feita com sucesso, inúmeros personagens e acontecimentos ficaram em aberto, deixando todo o desfecho para o Phantom Pain.

Clique para continuar lendo sobre o novo meio de espionagem!

[Brito’s Review] inFAMOUS: Second Son

You are not in control.

You are not in control.

Produtora: Sucker Punch

Publisher: Sony Computer Entertainment

Plataforma: Playstation 4

Infamous: Second Son é o game que veio ao PS4 com algumas responsabilidades de peso nas costas. Uma destas responsabilidades era mostrar que o PS4 era uma máquina poderosíssima e capaz de evoluir ainda mais no decorrer dos anos dessa nova ou se preferirem, atual geração. Outra responsabilidade seria provar que a Sucker Punch é uma empresa capaz de lidar com a pressão de produzir um título tão importante para o início da vida do PS4. Produzido pela Sucker Punch com um auxílio mais do que bem vindo da aclamada Naught Dog, confira agora se o game conseguiu se sobressair e superar as expectativas ao seu respeito.

O belo cenário inicial.

Continuar lendo

[Neto’s Review] Thief

“Hello darkness, my old friend
I’ve come to talk with you again
Because a vision softly creeping
Left its seeds while I was sleeping
And the vision that was planted in my brain
Still remains
Within the sound of silence”
(Simon & Garfunkel – The Sound of Silence, 1964)

thief-4-logo

Produtora: Eidos Montreal

Publisher: Square-Enix

Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Xbox One, Playstation 4, PC

Versão jogada para análise: PC

Thief é o ressurgimento de uma das franquias mais famosas e com status cult que os jogadores de PC já conheceram. O único jogo lançado para consoles além do PC da franquia era Deadly Shadows, de 2004, que também saiu para Xbox.

E logo no início de uma nova geração, a Eidos Montreal resolve fazer um novo jogo da franquia, intitulado somente Thief, sem lugar na cronologia da série e a Square Enix fica a cargo de publicar. E dessa vez o jogo foi lançado para absolutamente todos os consoles na ativa (excetuando-se, é claro, o Wii U, como de praxe), tornando-se um título cross-gen.

Será que o reboot da franquia, depois de dez anos do último jogo, é uma boa ideia?

Dê um passo para as sombras e confira na nossa análise!