[Rodrigo’s review] Into the Dead

Nome: Into the Dead
Gênero: Mobile

Distribuidora: Pik Pok Produtora: Pik Pok
Plataforma(s): Ios e Android.

Versão analisada: Android

unnamed

Em um mundo infestado por Zumbis, você sobreviveu… mas por quanto tempo?

Into the Dead é mais um dos inúmeros games baseados na nova febre do mundo: Zumbis.

A Pik Pok, produtora do game, foi muito esperta em entender que as vezes não precisamos de comandos complexos, inúmeras opções e enredos elaborados para se divertir em um jogo de Smartphone. Into the Dead é bem divertido e sua única função é fugir das ondas de Zumbis do game.

Não há historia. Não há níveis.  Seu personagem sequer precisa de um nome ou fala. A ideia é apenas fugir, fugir e fugir da intensa atmosfera dos cenários do game. Você vai correr em direção de florestas, milharais, fazendas desertas e outros cenários cheios de obstáculos para atrapalhar sua fuga desesperada. É uma maratona sem fim em busca da sobrevivência.

A ideia do jogo é muito simples: Nossos comandos são apenas toques nas laterais da tela para mudar a direção que  o personagem está correndo, evitando que os Zumbis o peguem. Se estiver munido de uma arma, podemos dar um toque no centro para atirar. Sinceramente, de inicio eu achei o jogo um fracasso. A ideia limitada de só correr das ondas de Zumbis que estão sobre o cenário é simples demais, até mesmo para um jogo de Smartphone.

Mas Into the Dead oferece uma diversão muito maior do que aparenta. Como dito anteriormente, um arsenal de rifles, pistolas, escopetas e serras elétricas estará espalhado pelo jogo para aumentar sua diversão. Basta passar por cima de uma caixa com o item para usa-lo. O jogo é gratuito na Google Play e Apple Store. Ele é baseado no modelo Freemium: jogos com propaganda inseridas. As propagandas são irritantes, mas não atrapalham na hora da diversão.

Into The Dead oferece aos jogadores um loja com armas e itens para compra, através das moedas adquiridas a cada jogada que foi encerrada. Na loja podemos adquirir armas para começar de inicio ou até mesmo começar uns 1.500 metros a frente.

Como todo o game, a parte técnica é também bem simples, mas não quer dizer que é mal-feita. O jogo não possui musica tema e nada parecido, são apenas os Zumbis com seus grunhidos e nosso personagem desconhecido com sua respiração ofegante durante a fuga do colapso. Os gráficos do game são muito escuro, mas ótimo.  Como os cenários são cheios de neblina e praticamente tudo na tonalidade escura, os Zumbis são bem trabalhados e tem bastante detalhes. Infelizmente você  só vai prestar atenção nisso quando ele te agarrar.

into-the-dead-by-PIKPOK-2

O novo jogo de zumbis para Smartphones não é um Dead Trigger, mas diverte em sua proposta. Mesmo sendo um jogo baseado em correr para fugir de ondas de zumbis que aumentam periodicamente com o tempo em que você está jogando, o atmosfera de desespero com neblina e grunhidos aterrorizantes  e um clima devastado que uma invasão Zumbi proporciona estão no game. Com algumas armas com munição limitadíssima e itens bacanas o jogo ganha muito em atrativos para o jogador. Vale para distrair por algumas horas e para aquelas intermináveis filas de banco.

O melhor: Atmosfera e jogabilidade simples

O pior: Pouca variedade para prender a atenção

Nota: 7/10 (Haja fôlego)

Trailer do game

Anúncios

Um pensamento sobre “[Rodrigo’s review] Into the Dead

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s