[consciência gamer] monster hunter – a eterna batalha homem versus natureza

A relação entre homem e meio ambiente é pré-histórica e histórica, antiga e atual. Com certeza é um dos temas mais velhos da humanidade, e, retratado pela arte já nos primórdios da existência do homo sapiens, no neolítico, através de pinturas rupestres. Desde sempre, o personagem cativo dessas manifestações artísticas é a lendária figura do Caçador, o herói que se arrisca, armado com suas lanças, flechas e facas, em busca do alimento, matador de feras a proteger seus companheiros, sua morada.

Caçadores representados em pinturas rupestres

A relação que se estabelece entre o homem e o meio ambiente, por sua vez, é contraditória ao mesmo tempo em que necessária para existência, sobretudo, dos humanos. A natureza, a priori, elimina o homem, que resiste do único modo possível: anulando essas forças naturais hostis à sua presença. Ao homem é necessário suprir as necessidades criadas pela própria manifestação natural de seu corpo, retirando da natureza seu sustento e causando danos a ela, que reciprocamente também causa danos à humanidade, em uma relação conflituosa de anulação e coexistência, em que a natureza sempre sai vencedora, visto que o homem dela precisa, sem, contudo, que ela dependa do homem.

Mais um caçador armado com lanças

Em razão disso, as primeiras manifestações artísticas produzidas pelo ser humano se deram de modo a retratar justamente a relação conflituosa acima descrita, através de uma visão subjetiva onde pendiam na disputa de um lado os grandes caçadores, e de outro, os entes naturais personificados em animais, que com o passar do tempo ganharam a roupagem de seres míticos, cujos únicos capazes de superar ou ao menos enfrentar, eram os primeiros heróis da humanidade: Caçadores.

Representação da constelação de Orion

Passado o neolítico, o caçador continuou a ser constantemente homenageado, pois ele é o símbolo da luta pela sobrevivência, da superação das forças naturais pela técnica e inteligência inerentes ao ser humano. Não por acaso, uma das mais imponentes e famosas constelações vista da Terra é Orion, O Caçador, matando uma fera, ou segurando seu arco e flecha. Nomear essa importante constelação com o nome de um famoso caçador talvez seja das maiores homenagens feitas pelos povos da antiguidade ocidental.

Posteriormente, durante a idade média, surge outra homenagem à imagem do caçador, dessa fez figurando São Jorge, o cavaleiro que matou um dragão nas terras da Líbia. Conforme a lenda, o dragão, símbolo das forças naturais, ameaçava a cidade de Sylén, o que urgia pelo aparecimento de um herói que fizesse cessar o perigo, um caçador que montado em seu cavalo enterra a lança na garganta do dragão, conquistando mais um triunfo humano sobre as forças naturais.

São Jorge matando o dragão na pintura de Hans von Aachen

No mundo oriental, sobretudo no Japão, também a imagem heroica do caçador ganha destaque, principalmente em razão do fato de que no país as condições naturais sempre foram mais severas. Terremotos, maremotos, antes atribuídos a monstros marinhos, assolaram e ainda hoje causam prejuízos incomensuráveis aos japoneses (vide o terremoto ocorrido em 2011, que devastou a cidade de Sendai), o que os leva a desenvolver uma postura um tanto quanto mais cética em relação à natureza, justamente por esta não ser tão generosa com o povo do arquipélago.

Pintura japonesa retratando um monstro marinho causador de tsunamis

Raiko, grande herói japonês, enfrentando Tsuchi-gumo, uma monstruosa aranha, zoomorfização mítica das forças naturais

Por isso, não é de se estranhar que Monster Hunter tenha surgido no Japão, pois o game é a expressão artística que homenageia o caçador atualmente. Como já se disse, o Japão sofre com as forças da natureza e o povo japonês vive em constante disputa com as forças da natureza, em uma disputa de palmo a palmo para decidir de quem são as ilhas. Assim, do mesmo modo, o game coloca o jogador na pele de caçadores que devem enfrentar monstros titânicos, que causam terremotos, maremotos, ameaçando a vida nas vilas.

Tela de loading em Monster Hunter Freedom 2

Cesto típico do artesanato apache

É notória a inspiração rupestre e neolítica nas telas do game, e muito do que se vê vem diretamente da arte mais primitiva com toques do estilo ameríndio, principalmente asteca e apache, apresentando formas que lembram as pinturas nas cavernas, menires e outras construções em pedra como o Stonehenge e os Moais – cabeças da Ilha de Páscoa – além dos cestos e entalhes ameríndios, mas de modo um pouco mais complexo e modernizado. Ainda assim, as semelhanças são muitas, e todo o jogo apresenta um ambiente selvagem e vasto, que contribui para fomentar o sentimento de o mundo natural é perigoso, hostil, e deve ser temido tanto quanto respeitado, sentimento bem próximo do que muito provavelmente nossos ancestrais mais distantes experimentaram em suas vidas há muito passadas.

Relativamente ao design do game propriamente dito, também as armas e armaduras, todas são feitas a partir de materiais retirados da natureza, e justamente por serem feitas com as peles, escamas e ossos dos animais selvagens mortos, com o resultado se apresentando quase sempre de maneira bem rústica acabam por ser também referência direta às épocas antigas, quando a técnica não era tão apurada e o homem iniciava sua caminhada rumo ao desenvolvimento da civilização, e já enfrentava a natureza tentando dominá-la.

Armaduras feitas a partir dos materiais extraídos de um Lagiacrus ao lado de uma armadura feita de pele de crocodilo datada da Roma Antiga, no Museu Britânico

Esta característica do jogo em dar a oportunidade de colegar materiais produz uma excelente ferramente de crafting (manufatura de equipamento), o que torna o jogo muito mais interessante, ultrapassando as barreiras da mera mecânica de gameplay, dando mais consistência à ideologia por trás do game que reproduz exatamente o que se buscava na era da pedra polida e antiguidade  (mas que dura até hoje) em retirar da natureza os elementos necessários para superar suas intempéries. Ora, daí pode-se inferir inclusive a filosofia de artes marciais como ju jutsu e ju do que visam usar a força do inimigo contra ele mesmo.

Lagiacrus, a ameaça que vem do mar em Monster Hunter Tri

Assim, Monster Hunter é uma ode à lenda do caçador, espírito este que na verdade está dentro de cada um dos seres humanos, sendo sempre presente o desejo de superação, que fez com que o homem saísse da situação de presa, para torna-lo o predador. Tirando-o das cavernas para leva-lo aos arranha-céus, enfrentando a natureza de igual para igual, até alcançar a possibilidade de ser mais poderoso que a própria Gaia em certas situações… O que trouxe ao caçador o viés do desequilíbrio ecológico, nada mais que um recado da mãe natureza, amiga e inimiga, refrescando a memória da humanidade no sentido de deixar claro que os homens precisam dela, mas ela, não precisa dos homens.

Mate o sofá, mas não cometa nenhum crime ambiental hehe

Obrigado por lerem! :D